segunda-feira, 6 de abril de 2009

Niels Bohr e o átomo


Amadinhos das oitavas séries, já que estamos falando do átomo e suas camadas eletrônicas (com direito até a musiquinha, hahaha) coloco aqui um pouquinho sobre Niels Bohr, responsável por muito do que estamos aprendendo agora!
"O polido senhor, já idoso, ergueu-se de seu lugar, tirou o chapéu e fez um profundo cumprimento. A senhora, esposa de um físico norte-americano, mencionara que seu marido estava estudando no Instituto de Física Teórica da Universidade de Copenhagen. A cena passou-se num bonde, e o cumprimento não era nem para a senhora nem para o seu esposo, mas para o grande cientista da Dinamarca, Niels Bohr. Dizem que os dinamarqueses são orgulhosos ao máximo de sua indústria naval, de seus lacticínios, de Hans Christian Andersen e de Niels Bohr.
Niels Bohr nasceu a 7 de outubro de 1885, filho de Ellen Adler e de Christian Bohr, professor de Fisiologia na Universidade de Copenhagen. Niels, estudante de grande brilho, cursou a Universidade de Copenhagen. Aos vinte e dois anos recebeu a medalha de ouro da Sociedade Científica Dinamarquesa por seus estudos originais sobre tensão superficial. Bohr completou o doutorado em Filosofia em 1911 e partiu para o laboratório Cavendish em Cambridge, Inglaterra, a fim de estudar com o pai do elétron, o grande J. J. Thomson. Lá trabalhou com Sir Ernest Rutherford, de quem se tornou amigo íntimo, a ponto de dar a seu filho o nome de Ernest.
Em 1913 Niels Bohr publicou sua teoria básica sobre a estrutura do átomo, que tem sido ampliada e modificada, sem que se possa esquecer que o modelo original permitiu melhor compreensão da Química e da Eletricidade e, afinal, conduziu ao desenvolvimento da energia atômica.
Aceita-se que o átomo seja a mínima partícula de matéria que se pode identificar como material distinto. O átomo é formado de duas partes principais. Uma porção central chamada núcleo, e partículas externas, que giram em torno dele, os elétrons. Na concepção atômica de Bohr, o núcleo fica no centro e os elétrons giram em órbitas circulares. O átomo é incrivelmente pequeno. Quinhentos milhões de átomos de tamanho médio não encheriam uma linha desta página.

O mais simples dos átomos é o de hidrogênio. Seu núcleo consiste num próton. Girando em torno do núcleo de hidrogênio, existe normalmente um único elétron.
Bohr apresentou a idéia de que os elétrons giram em torno do núcleo em órbitas determinadas, mas quando a eletricidade passa através do átomo, o eléctron pula para a órbita maior e seguinte, voltando depois a sua órbita usual. Quando os elétrons saltam de uma órbita a outra produz-se luz.

Como muitas outras inovações científicas, o átomo de Bohr só foi plenamente apreciado por pequeno número de pessoas. Levou nove anos para que a comissão do prêmio Nobel se desse conta da importante obra de Bohr, que só o recebeu em 1922. Apesar da demora, o físico dinamarquês, então com 37 anos, era o mais novo dos vencedores do prêmio Nobel de Física até aquele tempo.
Não tardou que estudantes e cientistas de todo o mundo procurassem a pequenina Dinamarca para estudar e trabalhar. Eram atraidos pelo brilho de Bohr. Dele disse Albert Einstein: "Ninguém sabe como estaria o nosso conhecimento do átomo sem ele. Pessoalmente, Bohr é um dos mais agradáveis colegas que já encontrei. Ele emite suas opiniões como alguém que esteja perpetuamente tateando, jamais como alguém que creia estar na posse da verdade definitiva."
Bohr sempre teve senso de humor. Discutindo uma teoria relativa à Física das partículas, certa vez disse:
"Todos acreditamos que essa teoria é maluca. Resta saber se é suficientemente maluca para ter probabilidade de ser correta. Pessoalmente acho que não é suficientemente maluca."
Ao aproximar-se dos oitenta, achava-se velho demais para o trabalho científico criativo, mas dedicava-se a ensinar e trabalhar pela paz. Bohr morreu a 18 de novembro de 1962. Também nós, como o velho do bonde, tiramos o chapéu e reverenciamos tão grande gigante que ajudou a mudar o mundo com o seu modelo atômico, concebido aos
28 anos de idade."


Nenhum comentário:

Postar um comentário