domingo, 10 de abril de 2011

Abril

Os acontecimentos do dia 7 de abril, a tragédia de Realengo, me chocaram como mãe, professora e como ser humano. Impossível não se abalar com tamanha brutalidade e tristeza. Acredito que esta tragédia seja um caso isolado e peculiar, nada relacionado com o Rio de Janeiro como cidade violenta. Poderia ter acontecido em qualquer cidade brasileira, grande, pequena, violenta ou pacata.

O diretor da escola, Luiz Marduk, comenta que o atirador era um aluno normal, "um aluno invisível". Quando um aluno torna-se "invisível" dentro de uma instituição educacional, uma escola, onde o aluno deve ser o centro das atenções?

Este cometário me fez refletir, dentro deste contexto. O quanto realmente as escolas se importam, acompanham, auxiliam e interferem na vida de seus alunos? Percebemo-os de verdade?

Não podemos (infelizmente) voltar no tempo e desfazer esta tragédia, obra de uma mente perturbada e desajustada, doente.

Acho que hoje só podemos orar e refletir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário